Ciência, Religião e Mediunidade

É bastante confortável criticar uma religião de um ponto de vista estratégico, seguro de suas verdades materialistas/científicas, totalmente isolado e separado do mundo religioso sobre a qual se critica. No entanto, é inteligente de nossa parte dar atenção a essas pessoas que buscam a aprovação de um público para suas críticas? É possível de se analisar uma religião objetivamente? É válido de se tirar conclusões de qualquer sistema sem antes estudá-lo e experimentá-lo em todos os seus pormenores?

Não.

Só é possível analisar uma religião criteriosamente se você se converter a ela; se você se tornar um verdadeiro adepto, se você participar dos rituais, crer no que aqueles fiéis crêem, aprofundar-se a ponto de realmente compreender todos os dogmas colocados nessa fé em particular, decifrá-la através da auto-experiência, mergulhando nela e vivenciando-a em seu ser completamente. Dai sim você fará justiça, pois você terá vivido e experimentado o que aquela religião realmente é, o que ela significa e qual o processo pessoal de transformação que ela proporciona a seus fiéis. Tudo aquilo se tornará claro para você. E, se aquela religião for boa, você passará a compreender outras religiões como formas válidas de caminhos para a ascensão do Verdadeiro Eu. Continue lendo

Labirinto da Mente?

Um Labirinto nada mais é do que uma complicada e intrincada construção cheia de corredores estreitos com paredes altas, impossíveis de se escalar; há diversos caminhos que podem ser percorridos nesses corredores, os quais muitos não têm saída ou fazem andar em círculos. Os labirintos mais clássicos possuem somente um caminho para se chegar ao seu centro. Tal qual no conto mitológico do Labirinto do Minotauro, o explorador deve avançar com cautela e tomar precauções para que saiba o caminho de volta, senão poderá ficar eternamente preso nesse imenso quebra-cabeças…

Além da dificuldade do labirinto em si, este geralmente abriga uma fera com “corpo de homem, cabeça de touro e dentes de leão“. Essa criatura bestial representa a soma das mais profundas paixões e desejos dos homens. A alegoria do labirinto somada à esta fera descontrolada simbolicamente nos mostra que um homem que desconhece a si mesmo, que não sabe como dominar seus desejos e paixões mais fervorosos, estará perdido e à mercê de seus mais básicos instintos primitivos; ele viverá somente para saciar suas necessidades físicas mais imediatas.

Continue lendo

A Ciencia Moderna e sua Visão Estreita

Antes de prosseguir na jornada para os mais recônditos lugares da existência, faz-se necessário  expor a realidade dos fatos. O conhecimento humano e o modo como ele é construído hoje em dia, suas falhas e indisciplina, e também o que creio que deveria ser feito para realmente haver uma mudança na forma como geramos e aplicamos conhecimento.

A Ciência busca conhecer as coisas através da experimentação. Seja testando teorias empiricamente, seja criando leis pela observação, a Ciência moderna se diz conhecedora última e verdadeira das forças regentes do Cosmos, e que tudo o que estiver fora das leis por ela escritas e administradas, não são verdades comprovadas e, portanto, não podem ser consideradas como parte da realidade.

Continue lendo

Labirinto da Mente?

Um Labirinto nada mais é do que uma complicada e intrincada construção cheia de corredores estreitos com paredes altas, impossíveis de se escalar; há diversos caminhos que podem ser percorridos nesses corredores, os quais muitos não têm saída ou fazem andar em círculos. Os labirintos mais clássicos possuem somente um caminho para se chegar ao seu centro. Tal qual no conto mitológico do Labirinto do Minotauro, o explorador deve avançar com cautela e tomar precauções para que saiba o caminho de volta, senão poderá ficar eternamente preso nesse imenso quebra-cabeças…

Continue lendo