Aniversário de 1 ano da coluna no Portal Teoria da Conspiração!

Esse mês completa um ano que a coluna Labirinto da Mente foi inaugurada no Portal Teoria da Conspiração. Graças a essa oportunidade de ouro oferecida pelo Projeto Mayhem e pelo Marcelo Del Debbio, conseguimos aumentar muito o número de acessos a esse site e ao próprio TdC. Não sei como agradecer apropriadamente a essa honra que me foi concedida. Acho que a melhor forma de agradecer é me tornar cada vez mais um escritor capaz de transmitir a mensagem que tenho para passar.

Ao longo desse ano, tive a chance de expor vários pontos de vista no portal TdC, onde tive a dádiva de argumentar e discutir com pessoas dos mais diversos tipos e interesses. Têm sido um excelente treino para mim e para minhas idéias e teorias. Meu Labirinto têm se reformulado e reestruturado ao longo desse ano de forma imensurável! Aprecio muito a todos os leitores que têm acompanhado meu trabalho no portal e aqui no Labirinto da Mente. É um privilégio ter toda essa audiência e essa crescente interação em ambos os sites. Vocês são fantásticos. Parabéns!

Esse mês começarei então a publicar aqui os artigos que foram publicados lá na coluna do Portal. Dessa forma vocês poderão reler esses artigos e colocar aqui quaisquer comentários adicionais que desejarem, ou dúvidas que porventura surjam.

Um abraço especial a todos os colunistas do TdC que têm me apoiado e ajudado a manter a comunidade ocultista, hermética e pensadora de forma limpa, sincera e íntegra, procurando a verdade e a tolerância entre as opiniões. E um grande abraço a você, Marcelo Del Debbio, por todo o seu esforço ao longo desses anos e por tudo o que  nos tem feito e ajudado para progredir e aumentar a influência e a disseminação da Verdade e da Iluminação das pessoas, livrando-as das Trevas da Ignorância e do Preconceito. Que o seu e o nosso trabalho frutifique e seja visto e ouvido pelos quatro cantos do mundo! Assim seja!

Tornar-se o que se é

…vivemos em um mundo onde uma multiplicidade de forças muito poderosas tem atuado sobre nós. Do nascimento, passando pela escola, até o trabalho, tentam suprimir nossa individualidade, nossa criatividade e, acima de tudo, nossa curiosidade – em suma, destruir tudo que nos encoraja a pensar por nós mesmos. Nossos pais queriam que nós agíssemos como as outras crianças da vizinhança; eles enfaticamente não queriam um menino ou uma menina que parecessem “estranhos” ou “diferentes”, tampouco “condenavelmente espertos demais.”

Então entramos na escola, um destino pior que a morte e o inferno combinados. Ao aterrissarmos em uma escola, aprendemos duas lições básicas: 1) Existe uma resposta correta para qualquer questão; 2) A educação consiste em memorizar essa única resposta correta e regurgitá-la nas “provas”. As mesmas táticas continuam pelo ensino médio e, salvo em algumas ciências, até a universidade.

Através desta “educação” encontramo-nos bombardeados pela religião organizada. A maioria das religiões, no ocidente, também nos ensina a “única resposta correta”, a qual devemos aceitar com uma fé cega; pior ainda, tentam nos aterrorizar com ameaças de sermos queimados após a morte, tostando e fervendo no inferno se alguma vez ousarmos pensar por nós mesmos, de fato.

Depois de 18 a 30 anos de tudo isso, entramos no mercado de trabalho, e aprendemos a nos tornar, ou a tentar nos tornar, quase surdos, mudos e cegos. Devemos sempre dizer aos nossos “superiores” o que eles querem ouvir, o que veste seus preconceitos e/ou seus desejos fantasiosos. Se notamos algo que eles não querem saber, aprendemos a manter nossas bocas fechadas. Se não –

“Mais uma palavra, Bumstead, e você está despedido!”

Este rebanho humano começou com gênios em potencial, antes que a conspiração tácita da conformidade social enferrujasse seus cérebros. Todos eles podem se redimir dessa liberdade perdida, se trabalharem duro pra isso.

Eu trabalhei por isso por 50 ou mais anos até agora, e ainda acho partes de mim agindo como um robô ou um zumbi em algumas ocasiões. Aprender a “tornar-se o que se é” (como na frase de Nietzsche) leva o tempo de uma vida, mas ainda parece ser o melhor a se fazer.

Texto de Robert Anton Wilson, autor da Madras Editora (Fonte)

Os Níveis do Ser Humano

Há alguns anos, um buscador aproximou-se de um Mestre da Arte Real (um verdadeiro Místico) e perguntou-lhe:

– Mestre, gostaria muito de saber por que razão os seres humanos guerreiam-se e por que não conseguem entender-se, por mais que apregoem estar buscando a Paz e o entendimento, por mais que apregoem o Amor e por mais que afirmem abominar o Ódio.

– Essa é uma pergunta muito séria. Gerações e gerações a têm feito e não conseguiram uma resposta satisfatória, por não se darem conta de que tudo é uma questão de nível evolutivo. A grande maioria da Humanidade do Planeta Terra está vivendo atualmente no nível 1. Muitos outros, no nível 2 e alguns outros no nível 3. Essa é a grande maioria. Alguns poucos já conseguiram atingir o nível 4, pouquíssimos o nível 5, raríssimos o nível 6 e somente de mil em mil anos aparece algum que atingiu o nível 7.

– Mas, Mestre, que níveis são esses? Continue lendo

II Simpósio Brasileiro de Hermetismo e Ciências Ocultas

O II Simpósio Brasileiro de Hermetismo e Ciências Ocultas, que será realizado nos dias 23, 24 e 25 de junho de 2011, tem por objetivo trazer estudos mais aprofundados à Ciência Hermética. Com apoio da Associação Educacional Sirius-Gaia e do Projeto Mayhem, o evento tem como tema geral a discussão sobre as práticas ocultistas.

A Programação deste ano será composta de Palestras e Workshops com alguns dos mais importantes estudiosos de Hermetismo, Ordens Iniciáticas e Magia no Brasil.

Continue lendo

Os Sete Pecados Capitais e as Sete Virtudes

Uma das características do Verdadeiro Rei é que ele já está purificado. Ele já deixou para trás o supérfluo. É alguém que já superou os desejos infindáveis que surgem das entranhas do EGO, do eu-inferior ou do eu-da-sombra. O Verdadeiro Rei, como um autêntico alquimista, sublimou todos os 7 “Pecados Capitais”, tranformando-os nas 7 Virtudes.

Continue lendo