O Poder da Palavra

Geralmente classificamos discursos morais como entediantes e chatos. Não atribuímos importância às virtudes pois elas nos parecem chatas e restritivas. Isso acontece porque desde pequenos levamos sermões de nossos pais, nos dizendo o que devemos ou não fazer. Apesar de suas advertências, muitas daquelas coisas proibidas acabam sendo feitas mesmo assim. E o que acontece é que aprendemos a lição, mostrando-nos se nossas pais estavam certos ou não, e nunca mais esquecemos.

Pois bem, esses dias estava pensando em como costumamos mentir para nós mesmos ou para os outros. Muitas dessas mentiras são não-intencionais. Lembrando, é claro, que promessas não cumpridas também são mentiras: afinal de contas, dissemos que faríamos algo, e acabamos não fazendo, tornando nossa afirmação falsa. Continue lendo

Curiosidade

O que me move pela vida é a curiosidade.

A vontade de descobrir o que há atrás daqueles arbustos. Ou daquele morro logo adiante.

A curiosidade me moveu no meu primeiro passo. Quando fui me apoiar nas pernas pela primeira vez, pensei “como será que é andar só pelas minhas pernas?” dai fui, tentei, tentei até conseguir. Matei minha curiosidade, através da insistência, do entusiasmo e da vontade em conhecer o desconhecido.

Essa vontade de conhecer me dirigiu através das maiores descobertas da minha vida.

Tenho certeza de que essa curiosidade me levará para mais buscas e maiores revelações.

Quando eu descobri como era caminhar somente pelas minhas pernas ao invés de me utilizar das pernas e dos braços, eu vi o mundo por um novo ângulo, por um novo ponto de vista. Essa conquista em tão tenra idade me serviu de energia impulsionadora para novas tentativas em campos desconhecidos. Antes eu não sabia ser possível andar. Eu só assumia que poderia, pois via os adultos caminhando sobre suas pernas. Mas, em minha mentalidade infantil, eu não tinha como saber se conseguiria, se minhas pernas eram fortes o suficiente, se eu teria forças ou equilíbrio. É claro que, hoje em dia, com meus conhecimentos, sei que podemos sim caminhar sobre as nossas pernas pois evoluímos para assim nos locomovermos. Mas, do ponto de vista da criança, esse é um desafio imenso, e totalmente incerto.

Assim também foi quando aprendi a andar de bicicleta sem as rodinhas laterais. Eu não conseguia entender como meus colegas conseguiam andar de bicicleta de duas rodas sem caírem. Ora, os lados estavam desguarnecidos de apoio, por que não caíam?

De tanto tentar, consegui. Lembro claramente do momento mágico em que me equilibrei naquela estrutura de aço e fui deslizando no chão de concreto alguns metros à frente. O vento no rosto, a sensação de liberdade e leveza somadas à sensação de conquista finalmente alcançada… essa sensação de vitória chegou a ser tão boa quanto, ou talvez até mesmo maior que a sensação de andar de bicicleta em si. É um momento em que tudo faz sentido, do começo do caminho percorrido até a conquista em si. Tudo ficou tão claro, tão evidente. “Tudo era pra ser exatamente como foi”, pensei comigo.

“A paz invadiu o meu coração”, como já disse Gilberto Gil. Não só a paz, mas a certeza de que eu poderia explorar a vida da forma que eu quisesse e escolhesse, sabendo que aquela sensação de vitória estaria lá me esperando no fim de cada busca perseguida com sinceridade, coragem e persistência. Essa certeza, linda, clara, dourada, brilhou na minha Consciência e resplandeceu na minha face, na forma de um sorriso e de um grito dado bem alto em comemoração à essa realização, declarando abertamente que ali ocorreu um momento único na vida de alguém.

Às vezes, quando estamos em tempos difíceis, em tempos escuros, quando não mais vemos a possibilidade de atingir o “topo da montanha”, sentimos estar um tanto quanto perdidos, desesperados, em frangalhos. Pouco a pouco, a tristeza passa a ser nossa companheira, passamos a ver nosso caminho como coberto de mazelas e coisas ruins. A estrada que percorremos parece ser tortuosa, enevoada e cheia de impecilhos. Galhos quebrados, pedras, sujeira, lixo, problemas, doenças, pobreza, inimigos.

Nesses momentos de nossas vidas, pensamos profundamente em abandonar tudo. Em desistir de nossos sonhos, de nossas Vontades Verdadeiras, de nossa curiosidade e necessidade em explorar. Pensamentos atacam nossa determinação, nublando o que deveria estar mais claro que o próprio Sol, dizendo que talvez não consigamos, que somos tolos por buscar algo tão infantil, que precisamos ter nossos pés no chão ao invés de ir atrás de vontades loucas sem sentido. Essas vozes parecem soar muito sensatas, muito seguras, muito boas para nos trazer à segurança da “realidade”.

Ao notar tais pensamentos, que também me atacam e algumas vezes me vencem temporariamente, agarro-me a essas memórias de conquistas realizadas que trago em meu coração. Essas conquistas são minhas jóias preciosas. Elas me salvam desses pensamentos negros, pois me mostram que há sim a chance de se conseguir o que procura. Elas não são ilusões, elas são reais! Elas são o testemunho daquela sensação magnífica que tive. Daquela Paz que Preenche. Daquele Amor pela Vida tal qual não sinto em ocasião nenhuma. Daquela Gratidão ao Universo por estar aqui, sendo o que sou e fazendo o que faço. Agarro-me a essas memórias e a essas certezas de que glórias ainda maiores me esperam! Maiores, sim, pois, obedecendo a Lei Natural da Evolução, se eu cresço, então minhas conquistas também crescem! E minhas alegrias serão proporcionais a elas! Então, para que se agarrar a pensamentos negros, conformistas? Não! Prosseguir com o plano inicial é o que irei fazer.

“Quanto maiores as provas, maiores as conquistas!”
“Quanto maior é a montanha, mais bela é a vista do topo!”

E pensar que tudo começou com a curiosidade, com a vontade de aprender, de explorar.

Rogo ao Universo para que eu jamais deixe de possuir essa Força dentro de mim, pois sinto que enquanto a tiver, nada me faltará. O mundo será uma aventura e a vida será bela, pois cada dia será sempre único, sem que eu saiba o que acontecerá ou o que vou encontrar de belo, diferente ou interessante.

O que te mantém firme no caminho que você se propôs a seguir? Quais são suas bússolas orientadoras, que te impedem de desviar do percurso traçado?

A Coragem para Viver Conscientemente

Segurança é em grande parte uma superstição. Ela não existe na natureza, nem os filhos dos homens como um todo a experimentam.
Evitar o perigo nao é mais seguro a longo prazo do que se expor totalmente a ele.
Ou a vida é uma grande aventura, ou nada.
Manter nossas faces voltadas para as mudanças e comportarmo-nos como espíritos livres na presença do destino é força invencível.
-Helen Keller

Nas nossas vidas do dia-a-dia, a virtude da coragem não recebe muita atenção. Coragem é uma qualidade reservada para soldados, bombeiros e ativistas. Segurança é o que mais importa hoje em dia. Talvez você foi ensinado a evitar ser ousado demais ou destemido demais. É muito perigoso. Não assuma riscos desnecessários. Não atraia atenção para si mesmo em público. Siga tradições familiares. Não fale com estranhos. Fique de olho em pessoas suspeitas. Mantenha-se seguro. Continue lendo

Karate Kid I

O filme Karate Kid: A Hora da Verdade é recheado de ótimas lições, muita das quais merecem um post só para elas, porém, inicialmente, escolhi apenas algumas das quais eu achei mais significativas. Não é possível honrá-las totalmente através de descrições; ao invés disso, assistir aos trechos relacionados é sem dúvida a melhor forma de entendimento. Mas, como não disponho de meios para compartilhar os trechos em vídeo nesse momento, os diálogos bastarão… eles falam por si. Continue lendo

Doação x Perfeição

Atualmente, estou mais absorvendo conhecimento do que compartilhando. Tenho oscilações entre compartilhar e absorver, e isso muda periodicamente. Sempre que estou numa época “absorvedora”, sinto dificuldade em explicar as coisas para as pessoas. É como se, o que eu fosse explicar fosse impreciso, pois eu sei que ainda não cheguei ao fundo daquele assunto. Isso se chama perfeccionismo: a exigência de si mesmo em criar algo perfeito e final. Sinto que minha vontade em criar está muito ligada a essa minha característica. Isso acaba gerando muitos transtornos.

Explicarei. Continue lendo

Os Grandes Épicos

Ah, os grandes e magníficos filmes épicos !! Logo ao ouvir o som das trombetas, dos violinos e o retumbante som da percussão, sentimos que há um perigo inominável, uma prova colossal de coragem e persistência, espreitando os heróis da história.

Por que será que os filmes e livros épicos exercem tamanho fascínio ? Eu acho que talvez seja o sentimento de resgate. Resgate dentro de nós mesmos de querer embarcar numa viagem ao desconhecido; de vivenciar novos lugares, conhecer novas pessoas e viver momentos diferentes. E não, não estou falando de uma viagem de férias. Tampouco estou dizendo pra ir escalar o K2 ou fazer um rally na Patagônia… mas teria de ser algo que fosse totalmente diferente do que você já fez até agora. Veja bem, o ponto central é explorar algo que você nunca viu, sentir coisas e VENCER MEDOS que ainda não sentiu/venceu. É um desafio, sim… até coisas aparentemente banais, como por exemplo cantar em um karaokê de bar. Se você nunca cantou em público, se você é tímido, se você tem vergonha da sua própria voz ou de se mostrar em público… aí está uma ótima chance de fazer algo verdadeiramente ÉPICO.

Continue lendo

Os Sete Pecados Capitais e as Sete Virtudes

Uma das características do Verdadeiro Rei é que ele já está purificado. Ele já deixou para trás o supérfluo. É alguém que já superou os desejos infindáveis que surgem das entranhas do EGO, do eu-inferior ou do eu-da-sombra. O Verdadeiro Rei, como um autêntico alquimista, sublimou todos os 7 “Pecados Capitais”, tranformando-os nas 7 Virtudes.

Continue lendo