Respeite-as

Gaia

Os homens não respeitam nada.
Não respeitam a vida ou a morte.
Não respeitam uns aos outros.
Não respeitam a individualidade de cada um.
Porém, há uma forma de respeitar tudo isso, de uma só vez.
Respeitando as mulheres.
Respeite todas as mulheres, não somente as filhas humanas.
Respeite e proteja todas as representantes da Sagrada Mãe.
Respeitando todas elas, estaremos respeitando a vida e a morte;
Estaremos respeitando uns aos outros, pois todos viemos de uma mãe;
Estaremos respeitando a individualidade de cada ser;
Estaremos respeitando aquelas que entendem, sentem e dão a vida e também nos acolhem no leito de morte;
Estaremos respeitando todas as mães de todos os animais, nossos companheiros;
Estaremos respeitando todas as árvores, flores e frutos;
Estaremos respeitando todas aquelas que GERAM e GESTAM o MUNDO.
Respeitando-as, estaremos respeitando a Mãe Terra e a Mãe D’Água Grande.
Respeitando-as, estaremos respeitando a toda a Vida e, portanto, a nós mesmos.
Amando-as, estaremos nos amando.
Cuidando-as, estaremos nos cuidando.
Respeite-as.
Ame-as.
Cuide-as.
Salve todas as mulheres, mães, filhas e anciãs!

A presunção dos magos

“O pior cego é aquele que não quer ver”

Ao iniciar a caminhada na Senda, vemos logo no começo um panorama no mínimo fantástico: esclarecimento para todas as nossas dúvidas, solução para todos os nossos problemas, e até a conquista de dons e poderes para nosso deleite! Oh, que maravilhoso é esse caminho!
É precisamente ao adquirirmos esse posicionamento que nos mostramos indignos e, principalmente, ponto focal para as forças destruidoras da ignorância e do orgulho.
Prontamente perdemos o que mal começamos a entender e a, erroneamente, querer. Queremos o que não precisamos querer. E, querendo, caímos quando na verdade queríamos ascender.
Tolo é aquele que acha que, sozinho, consegue fazer tudo. Idiota é aquele que acredita ter algo especial que outro não possui.

“Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho de teu irmão”.

Alguns podem torcer o nariz ao ler essas palavras, mas boas lições podem ser encontradas em muitos lugares, e esse lugar, a origem dessa frase, não é diferente dos outros, então, por que não? O sábio reconhece a sabedoria, independentemente do meio em que a sapiência aflorou. Essa é a beleza da lição e do aprendizado: surgir em qualquer lugar. No limpo ou no sujo, no profano ou no sagrado, no corrupto ou no imaculado. O dever é saber reconhecê-la e absorvê-la.
O que essa frase implica denota bem o que foi dito anteriormente: olhar para si antes de olhar para fora. Somos alvo de nossos próprios defeitos, manias, maus-hábitos, vícios, demônios (internos e externos). Esses últimos são combatidos com unhas e dentes, mas e os outros, os internos? Esses estão tão bem alojados e estão tão invisíveis no dia-a-dia, que continuam a agir como se pouca coisa tivesse mudado, embora estejamos fazendo nossas práticas defensivas conforme prega a ordem/ o mestre/ o templo. Há a necessidade de se vivenciar as práticas, internamente, com toda a sua atenção e intenção.
Expurgar o mal que habita em si para daí olhar para as estrelas, buscar e encontrar.
Haveria diferença entre olhar para fora ou para dentro? Ambas são formas válidas de se encontrar o que tanto se busca. Se tem pesquisado para fora e não tem encontrado, procure pesquisando para dentro. Ficará surpreso.

“Nenhum homem é uma ilha”.

Todos precisamos de ajuda, direta ou indireta. Sempre precisaremos de alguém, por mais que se isole ou por mais poderoso que se torne. Há uma interdependência entre tudo. Uma teia invisível nos liga e nos une, e se faz necessário que o outro exista e sobreviva. Nem o mais poderoso ser humano pode viver somente de si próprio. E se há alguém que consiga, sempre há aqueles que o servem, sendo esses os que são a base para ele existir e, sendo assim, o apoio vital desse alguém, sem os quais viria a morrer.

“Sempre há um peixe maior”.

Sempre houve e sempre haverá alguém em uma hierarquia superior a você próprio e, se não houver, então você responderá a toda a classe hierárquica inferior, que é quem lhe dirige. Portanto, saber seu lugar e saber o seu dever e responsabilidades lhe dá perspectiva de sua importância na grande escala. Respeito é bom, humildade é melhor ainda.
Não confundir humildade com humilhação. Humildade é ser o que se é, sem aumentar nem diminuir. Humilhar é se diminuir. Soberba é se aumentar.
O poder não é exclusividade de quem estuda mais, ou de quem tem mais oportunidades. O poder vêm e vai, dos mais pobres aos mais ricos, dos mais simples aos mais letrados.
O poder amplia e mostra o que há em cada pessoa no qual ele “pousa”. O poder é somente emprestado, e é geralmente para testar quem o recebe. Se for alguém digno, essa dignidade será ampliada e mostrada àqueles ao seu redor… se for indigno, essa pessoa exibirá ainda mais seus fortes traços negativos de caráter. Sempre lembrando, que ninguém é totalmente bom ou ruim. Como disse Sirius Black, “o mundo não se divide em pessoas boas e más. Todos temos Luz e Trevas dentro de nós.”, ou seja, estamos o tempo todo decidindo agir em nuances, em graduações entre esses extremos e, ao receber poder, estamos sendo testados. É uma oportunidade que nos está sendo dada de testar-nos, de aprender com nossas capacidades e nossas decisões e de receber o julgamento dos olhos públicos, pois todo aquele que recebe o poder jamais fica oculto de todos os outros por muito tempo. Cedo ou tarde, a Verdade prevalece. A Justiça é feita, as pessoas sabendo ou não.

O Significado que nos Move

Tudo parece partir de um significado.

Aquilo que não tem significado, não tem motivos para existir. E se não há motivos para existir, então, mais cedo ou mais tarde, não mais existirá.

Toda pessoa que se sente perdida, está perdida em parte por não saber seu significado na vida. Não sabe, não sente, não intui, seu lugar na vida, sua função no esquema das coisas, do Universo, do Todo.

Esse vazio, esse buraco em si mesmo, muitas das vezes faz com que partamos em busca de um significado. Essa busca é o que fará com que a pessoa encontre aquilo que procura. É como uma luz, uma chama, o fogo orientador.

Porém, se a pessoa se encolher em si mesma, fechando-se, fará com que a dúvida permaneça e ganhe força. Talvez a leve a isolar-se cada vez mais, em todos os âmbitos. Provavelmente perca a vontade de fazer qualquer coisa. Porque, aos poucos, a falta de significado vai contaminando a vida dessa pessoa, como uma infecção, uma praga. Até que mesmo atos comuns do dia-a-dia se tornem totalmente inúteis para ela. Higienizar-se, alimentar-se, trocar-se… tudo passa a ser sem sentido. Até que a infecção chamada “Falta de Significado” alcance seu ápice, que é o vazio existencial completo e total. Nesse ponto, tudo é inútil. Tudo é vago. Tudo é trevas.

O nada absoluto impera.

E daí a pessoa se suicida.

É meu desejo que descanse em paz, Robin Williams… é meu desejo que você e que outras pessoas que se suicidaram ou que estão prestes a fazer isso, que vejam a verdade por trás da escuridão, por trás da luz, por trás de Tudo. Desejo que você e essas pessoas se lembrem de quem realmente são, das possibilidades que a existência proporciona, que se lembrem da dádiva de existir e experimentar. Experimentar… Experimentar…

Talvez o verdadeiro significado da vida seja esse. Experimentar tudo aquilo que quiser. Fazer o melhor que puder, da forma que quiser. Abrir os olhos e absorver a dádiva de estar aqui. Regozijar-se, banhar-se em tudo o que nos é ofertado, desde as mais simples.

O respirar.

O caminhar.

O observar o mundo. O céu. A terra.

O ouvir os sons do mundo.

O sentir com as mãos, com os pés, com o corpo.

Sensibilize-se para a vida. Aproveite a vida, aproveite o dia.

Carpe Diem!

O Equilibrista

Estar aqui, nesse momento, nesse corpo, nessa vida, tem sido muito desafiador… o desafio de se viver. O desafio de existir nessa condição, de se ter um corpo e de todas as responsabilidades que isso acarreta.

Só responsabilidades?

Claro que não. Também há vantagens, prazeres…

Porém, parece não ser possível fugir da dualidade…

Pois se você só usufrui, imediatamente isso criará um desequilíbrio na área diametralmente oposta.

E isso parece ser uma Lei da Vida. Da Natureza.

Pois não importa onde eu olhe, eu vejo isso atuando.

Em algumas situações, o desequilíbrio é mais evidente, pois seus efeitos são bem perceptíveis aos meus sentidos.

Mas em outras situações, os efeitos são mais ocultos. Eles ocorrem em um nível mais sutil de realidade. Nível esse que muitas vezes não é detectado pelos meus sentidos comuns.

Mas eu acredito que o efeito está lá, pois acontecem certas sincronicidades absurdas que acabam conectando fatos aparentemente desconexos…

Fazendo uma simulação de todos os efeitos desequilibradores que causei e que causarei na minha vida… a imagem que surge diante da minha mente é a de um equilibrista sobre uma corda bamba. Continue lendo

O Ponto e a Esfera

Este texto veio num momento de inspiração em que eu refletia acerca da Teoria dos Buracos Negros em conjunção com o Universo Fractal. Não sei se há Ciência nesses conceitos, estou compartilhando-o com o intuito de causar reflexões.

O Universo é Fractal.
Infinito para Fora e para Dentro.
Dentro de cada Ponto nesse Universo em que vivemos há um Universo em Potencial. Uma semente.
Há algumas sementes já desabrochadas.
As estrelas são um exemplo.
Dentro delas há um Universo típico.
A fronteira daquele Universo é a camada mais externa da Estrela.
As emissões estelares são descargas do excesso de energia daquele Universo.
O Sol é, então, um Buraco Negro e um Buraco Branco.
Negro pois há uma infinita densidade num Ponto em seu Centro.
Branco pois há uma infinita expansão na esfera que o Circunda.
O Ponto e a Esfera.
Contração e Expansão.
Continuamente, infinitamente.

Sobre a Amizade

A amizade é uma ligação que une duas ou mais pessoas fraternalmente. É um bem querer a outra pessoa. É querer trocar energias, experiências. É sentir-se agradável perto do outro. É doar sua energia por confiar no bom uso que será feito dela, pela outra pessoa.

É uma alegria e um contentamento por estar unido a outrem.

É como se o outro se identificasse com uma parte sua, da sua alma, e isso causasse um conforto e um aconchego maravilhosos.

Ter um amigo é amar alguém pelo que ele é.

É ter a liberdade de ser o que é e de falar o que se pensa sem temer a reação do outro.

Pois pior que seja a reação, você sabe que vocês ficarão bem, aconteça o que acontecer. E, por mais infantil que isso possa parecer, isso faz com que a amizade realmente seja muito resistente, passando através de problemas e perdurando enquanto isso for inabalável.

Os Ciclos Naturais e as Criações Humanas

Tudo faz parte de um ciclo. Esse ciclo pode ser grande ou pequeno: pode levar uma quantidade imensa de anos terrestres, ou até várias Eras, para se terminar um ciclo, dependendo de que ciclo estamos nos referindo. Há os ciclos terrestres, solares, zodiacais, galáticos… assim como há também os ciclos celulares, os ciclos atômicos… e os ciclos de vida e morte, o ciclo da água, e assim por diante.

Tudo tem um princípio, e esse princípio é o começo de um círculo. Uma volta, e o círculo se fecha, voltando a seu início (ou chegando ao “fim”). Dessa forma tudo se renova e, ironicamente, se mantém. Ironicamente? Sim… costumamos pensar no conceito de “manter-se” como algo estático, mas nesse caso, é dinâmico; como exemplo para ilustrar, a bailarina se mantém em movimento, girando em torno de seu eixo, porém, mantém-se equilibrada.

Continue lendo

O (Re)Começo: Perguntas Essenciais

Oi. Seja bem vindo. É ótimo recebe-lo aqui, nesse espaço virtual. Embora estejamos distantes fisicamente, através desse canal de comunicação, nos aproximamos a cada palavra. Cada frase, cada reflexão, sensação ou sentimento que aqui esboço, diversas reações e pensamentos vão sendo traçados, também, no seu Ser. Mas, o que (ou quem) é você?

Vamos (re)começar do início.

A sua existência, nesse exato momento e nesse lugar, da forma como é, com seus pensamentos, habilidades e poderes que lhe são característicos, lhe trouxe aqui, agora. Nesse instante, há um potencial armazenado em você: um ponto imóvel e infinito. Há também o movimento: você se pergunta o que virá nas próximas linhas que se seguem nesse texto, qual será o assunto tratado, talvez tentando adivinhar ou traçar probabilidades, se for do tipo calculista, ou então, tentando intuir minhas intenções, pesando minhas palavras.

Pois bem. Use sua mente e faça uma busca para mim. Procure em sua memória se alguma vez você já se fez as seguintes perguntas:

De onde eu vim? Sei que vim de meus pais, mas… da onde vieram eles? Da onde surgiu o homem? Qual o início da humanidade? Como eu vim a ser isso que sou, e como só me recordo da minha vida a partir dos 5 anos de idade(mais ou menos)?

Para onde vou? O que acontecerá quando eu der meu último suspiro? Será como dormir? Como sonhar? Ou talvez como apagar? Será tudo escuro? Ou eu simplesmente deixarei de existir, sem sentir nada, sem SER nada?

Existe um propósito para eu estar aqui, nesse corpo, nessa vida? Para quê eu vivo? Qual meu objetivo? O que eu devo fazer?

Por quê eu controlo somente esse corpo? Por que a minha perspectiva é a partir da minha cabeça, e da minha cabeça apenas? Por que existe essa aparente separação entre eu e os outros?

De onde vêm meus pensamentos? O que faz meus pensamentos agirem tão rápido a ponto de ser quase instantaneamente? O que faz meus órgãos trabalharem sendo que eu não penso para eles trabalharem?

Por que eu choro ao sentir tristeza e rio ao sentir alegria? Por que meu corpo reage e fica fragilizado se eu choro, e fica revigorado e vibrante se fico contente? Por que a minha vida parece melhor ou pior dependendo desses estados?

Devo me comportar como eu achar melhor ou como as outras pessoas acham melhor? Vivo em sociedade, e essa sociedade pode ser de grande ajuda ou, por outro lado, um enorme problema para mim, dependendo da reação dos outros ao meu comportamento. Portanto, como devo me comportar? Que “lado” devo escolher?

Sou dono da minha vida ou sou governado por forças fora do meu controle? Posso fabricar minha experiência de vida pelas minhas próprias mãos ou isso é impossível, sendo nesse caso levado pelos ventos do destino, incapaz de determinar meus próximos passos?

Essas e muitas outras perguntas permearam minha mente e minha imaginação desde a mais tenra infância. Sempre perguntei curiosamente sobre tudo para meus parentes. Eles, com sua paciência e compassividade, explicaram-me da melhor forma possível.

Hoje posso dizer que essas dúvidas foram respondidas diversas vezes, de muitas maneiras diferentes, ao longo da minha busca. Eu diria que nenhuma delas foi respondida com 100% de satisfação e finalização. Aliás, nenhuma pergunta pode realmente ser satisfeita e finalizada 100%… porque a natureza é infinita. O melhor que se pode fazer é uma aproximação da resposta final. Quanto mais próxima, melhor vai ser a precisão com que experimentamos e experienciamos o dia-a-dia.

Perguntas são importantes, pois elas apontam para algo que precisa de sentido, de significado. Sem esse sentido, a vida perde o brilho. Já estive na tristeza profunda da incerteza e da ignorância. E é algo que vai-e-vem: sempre há áreas que precisam ser esclarecidas, pois conforme vou vivendo e explorando meu potencial, vou descobrindo, no fundo da minha psique, partes inexploradas ou negligenciadas. Cabe a mim acender a luz nesses locais, para que eu possa enxergar o que quer que haja lá e, então, trazê-las para a superfície; limpá-las, cuidá-las, e entendê-las, para daí integrá-las ao restante do quebra-cabeças.

Puzzle by ellajphillips, on Flickr“Puzzle”, por ellajphillips, no Flickr

Ter dúvidas sobre algo indica que você não está satisfeito com as respostas que encontrou ou que têm em suas mãos. Significa que seu EU anseia por algo maior. Um maior significado, uma maior congruência e coerência entre suas partes. O EU busca respostas que integrem melhor seus pensamentos, sentimentos e vontades. A fim de fazer isso, a dúvida surge, bela e simples, cutucando você para que se (re)integre às partes obscuras, se (re)defina como ser vivo atuante, e se (re)encontre com seu Núcleo, A Fonte.

Hoje afirmo que sou muito mais feliz do que quando fiz essas perguntas pela primeira vez. Estou muito mais esclarecido. Mas ainda há muito para iluminar. Estou mais perto do infinito, mas ainda não sou o infinito.

Quais são as suas dúvidas? Quais são os seus dilemas? O que você pensa sobre si mesmo e sobre sua vida?

Compartilhe.

Lembrete

Lembre-se que cada segundo contém todo o Cosmos em si; cada momento contém a eternidade.
Lembre-se que o infinito está lá fora e está ai dentro de você também;
Respire, fundo e devagar; saiba que o Universo também respira.
Medite sobre sua infinitude.
Permaneça nesse momento, nesse lugar, aqui e agora, pois é a única coisa que existe e é a única coisa que você possui.
Sinta como tudo é Sagrado. Daí você vai lembrar que não precisa se proteger ou atacar. E uma paz indescritível simplesmente brotará em você.
Experimente esse estado sempre que estiver aflito. É um dos melhores remédios, se não o melhor.

Namastê.
Paz Profunda.
Amém.
Salamaleico.
… (e todas as outras formas universais de saudação fraternal).

Ponto Zero

Estive lendo algumas historias de vida e morte, de tempos antigos e atuais, de grandes e pequenos herois… pessoas de todos os tipos, que ajudaram a fazer o mundo em que vivemos hoje. Historias que me fizeram despertar algo que eu não “alcançava” havia tempos e que de fato precisava de um pouco de carinho e de atenção.

É realmente muito estranho ver o presente com olhos do futuro.

Continue lendo