Thor, O Filme

Fui ao cinema ontem para assistir Thor, da Marvel Comics. Minhas expectativas eram de me distrair brevemente com um filme de herói clichê, como geralmente se espera de um filme desse tipo, em que o tema já foi tão batido que acaba ficando chato. Mas minha avaliação mudou totalmente ao terminar a exibição. O filme é bom e original, e saí da sessão pesaroso, pois gostaria que o 2o. filme já estivesse ali na sequência para ser visto :)


Costumamos ver o seguinte padrão de roteiro:

  1. INÍCIO
  2. História de vida do Herói
  3. História de criação do vilão
  4. Introdução de parceiro romântico
  5. Lutas, derrotas, tristezas, enfim, intensificação do Drama
  6. Vilão é derrotado
  7. Herói vive ou morre
  8. Herói fica (ou não) com o parceiro romântico
  9. FIM

A ordem desses itens pode variar um pouco, mas geralmente não escapa muito disso. Mas eu me surpreendi com esse filme, assim como tenho me surpreendido com outros filmes da Marvel, talvez, exceto, pelo filme do Hulk (que sinceramente prefiro a 1a. versão, a do diretor Ang Lee, que deu um toque muito mais humano ao Gigante Esmeralda)

O que me surpreendeu foi a introdução do aspecto humano em um herói mitológico. Acho que fiquei um pouco traumatizado com Fúria de Titãs, típico filme “efeitos especiais blockbuster” feito para vender. Mas não é o que ocorre com Thor.

Estou muito acostumado a ver o protagonista vencer barreiras através da mente, ou através de algum poder incrível que milagrosamente vêm em socorro do herói ou das pessoas em perigo. No entanto, com Thor, não é nenhuma das duas saídas que irão trazer a vitória. É necessário que seja entregue algo muito mais valioso; é necessário que haja uma transformação de dentro para fora: uma verdadeira Al’kimia.

É visível o crescimento e desenvolvimento do herói ao longo do filme. Não chega a ser meloso nem melancólico, mas sim “temperado” na medida certa, o me fez respeitá-lo ainda mais. Conseguir essa química e balanceamento entre as personagens em um suposto filme “de efeitos especiais” é realmente algo difícil de se conseguir. Os atores e o diretor estão de parabéns nesse quesito.

Os efeitos especiais são muito bons e bem integrados com a história do filme, mas nunca ultrapassando os limites do necessário. O elenco conta com algumas novidades, como Chris Hemsworth (Thor) e Tom Hiddleston (Loki), além de figuras de grande porte como Anthony Hopkins, Natalie Portman e Rene Russo. Devo dizer que a atuação dos grandões deram ao filme uma atmosfera de respeito e seriedade, o que era extremamente necessário para dar credibilidade e peso à história, no sentido de “isso aqui não é brincadeira”, o que gostei muito. Ajudou a criar uma imersão mais profunda na história.

Thor (2011) é um filme de Herói alto-padrão que vale a pena ser assistido e reassistido nos cinemas. Pessoas que se identificam com histórias mitológicas, lendas, e heróis da antiguidade com certeza irão gostar do filme. A dica, como em qualquer outra história, é adentrá-la de forma neutra e imparcial, sem criar expectativas, ou ao menos tentar minimizá-las, para que a experiência se desenrole bela e naturalmente.

10 ideias sobre “Thor, O Filme

  1. Eu curti o filme, MAAASSS poderia ser melhor. BEM melhor. Foi um filme bom, mas não se comprometeram a entregar a real história do Thor da Marvel. Me pareceu rushado pra acontecer:

    -Thor se redimir
    -Loki se foder e virar um tru vilão
    -Acabar de apresentar o Thor pro povo, pra aparecer ele voltando de alguma forma no extra do Capitão América.
    -Avante Vingadores!

    Então foi bom, mas como disse, dava pra ser melhor.

    O mais interessante do filme é como a Natalie Portman fica gostosa mesmo com muita roupa e o pouco peito de sempre.

    Abrass!

  2. Pingback: Links Mayhem 05/05/11 | Instituto ECO

  3. Pingback: Links Mayhem | Teoria da Conspiração

  4. Pingback: Links Mayhem – 06/05 « Autoconhecimento & Liberdade

  5. Pingback: Links Mayhem. « Jedi Teraphim

  6. Pingback: Links Mayhem – 06/05/2011 « Hermetic Rose

  7. Ainda não vi este filme, e a fase do Thor que eu mais curto é do Walter Simonson, lá da década de 80, onde ele foi resgatado do limbo da obscuridade.
    Apesar de blockbusters serem feitos para qualquer um poder assistir, acho que os fãs gostaram da adaptação.
    Valeu.

  8. Pingback: Links Mayhem (14) » O Alvorecer

  9. Realmente fazia muito tempo que não via um filme de super-herói tão bem trabalhado. Esperava muito pouco do filme, justamente pelo uso indiscriminado de efeitos especiais e falta de conteúdo que encontramos nos filmes holywoodianos.. Ainda bem que, em contrapartida, temos também obras como A Origem e esse Thor que esbanjam conteúdo e estimulam nossas mentes… Também gostei do primeiro hulk, e que venha Thor 2!! Já tem o trailer no youtube…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *